FESTA DE PADROEIRA X BEBIDAS ALCOÓLICAS

A igreja Matriz Nossa Senhora das Mercês em Cuité ganhou uma nova pintura na tonalidade marron, uma das mais belas da região que voltará a realizar sua festa profana que este ano se estenderá ao pavilhão bem ao seu lado. Para muitos uma tradição, para outros na contramão do Evangelho, onde se faz uma festa inevitavelmente regada a bebidas alcoólicas.  


Um domingo (16) com uma linda abertura da festa religiosa da Padroeira em procissão até a igreja Matriz, no outro lado da cidade na controvérsia uma prévia carnavalesca de um bloco batizado de “Os Cachaceiros” que depois de muita bebedeira terminou em pancadaria, o que mais preocupa em reforçar a segurança nas noitadas das festas, alguns aproveitam a festa para mostrar suas camisetas que estampam nomes de blocos de meia dúzia de pessoas como ‘Os Cachaceiros’ e “Os Babões’ todos fora do contexto com sentido nada espiritual.

E a pedida da maioria do púbico jovem é de bandas com seus repertórios apelativos, consideradas por alguns padres como músicas mundanas do tipo ‘Garota Safada’, ’ Moleca Sem Vergonha ’ entre outras que não combinam com a Padroeira Nossa Senhora das Mercês ou estou causando alguma blasfêmia?  Não sou contra a realização de festas, apenas sou contrário que a Igreja mesmo que tradicionalmente, ainda promova festas onde um jovem tome seu primeiro gole de álcool, esse pensamento é para minhas duas mais antigas padroeiras na Paraíba a Nossa Senhora das Mercês em Cuité e Nossa Senhora das Neves que já deu o nome a capital paraibana.

 À luz destes fatos, coloco em evidência neste artigo reflexões sobre a tradição da Festa, fruto de um legado cultural para a cidade, mas que já deveria adotar um novo modelo de festa cristã comemorada com bandas do tipo ‘Gospel’ aberta ao público e com mais celebrações e novenas que deveriam elevar espiritualmente toda a comunidade. 

Um momento forte de conversão e santificação não se pode tornar em um meio de arrecadar dinheiro, daí a razão que muitos justificam a venda de bebidas alcoólicas e uso de músicas atuais que enchem a casa, mas não condizem com a família, lascivas ao comportamento deplorável que em muitos casos tornam-se um contra-testemunho.


Não se pode ensinar jovens a beber, principalmente a partir das festas de igrejas. Não se pode perder a consciência do perigo e malignidade das drogas. Uns lutam para tentar recuperar os dependentes do álcool e outros ajudam a fabricá-los. Mesmo assim se for à festa se beber não dirija, entregue a direção a Deus através de um amigo sóbrio.

Compartilhe no Google Plus

Quem é Dema Macedo

O Blogueiro Dema Macedo é Presidente da Asssociação de Moradores no Condomínio Valparaíso no Bessa, em João Pessoa, com ampla participação nas comunidades ao redor e locais do Bessa, faz a ligação do poder público com as comunidades, procurando solucionar os problemas socias, de infraestrutura e apoio familiar. Também participa ativamente do cenário político em em Cuité, município onde nasceu.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. Engraçado, enquanto a Bíblia condena o alcoolismo, a idolatria...etc a igreja católica incentiva.

    ResponderExcluir
  2. Os que mais falam são o sprimeiros a prestigiar os eventos, a questão da bebida, bebe quem quer, ninguém é obrigado a nada nessa vida;Enquanto muitos falam, essa é uma das poucas festas que aquecem o comércio da cidade e ainda por cima gera mais emprego no período do ano. Agora se quem ta falando da organização da festa, sabe fazer melhor, próximo ano tome a fresnte dos festejos e faça valer suas palavras.

    ResponderExcluir

Dê a sua opinião sobre esta publicação.