terça-feira, 25 de julho de 2017

CUITÉ- RUA 25 DE JANEIRO ANTIGA RUA DO "LOURO" , POR AECIO CANDIDO .

Viagem no tempo da rua 25 de Janeiro , antiga rua do " Louro" através do professor e intelectual Cuiteense Aecio Candido , o texto na integra apenas com minha intromissão dos tópicos .

AECIO PARAIBANO 
A Rua 25 de Janeiro, no ponto em que nós morávamos, era centro da cidade. Algum conterrâneo mais abalizado na geografia de Cuité e em seu traçado urbano pode contestar, com quilos de argumentos, esta minha tese.

RUA DE BARRO 
Já aqueles que partilharam comigo a vizinhança, as brincadeiras na rua sem calçamento e os banhos de chuva nas biqueiras torrenciais hão de concordar com a tese, em nome dessas lembranças e das marcas suaves que elas deixam na alma.

BARES E FOTÓGRAFOS 
A Rua 25 de Janeiro ia do Bar de Zé Vitalino à casa de Seu Jorge, o fotógrafo mais famoso da cidade, sucedido depois por Severino Palmeira. Após o bangalô de Seu Jorge, começava a Rua do Louro, e aí todos concordam, creio, que já não era mesmo centro da cidade, até porque todo um lado da rua era tomado por sítios, roçados e pelo campo de futebol. Era uma rua ímpar, de uma só linha de casas. De lá, cruzando nossa calçada, vinham Pai Véi e Liga, duas figuras muito conhecidas de todos. Pra nós que brincávamos na rua, vinham de muito longe.

RODOVIÁRIA DE CUITÉ 
O limite leste da Rua 25 era o Bar de Zé Vitalino, posteriormente Bar de Biléu, que continua a ser hoje, meio século depois, a única rodoviária que a cidade conheceu. Após o Bar de Zé Vitalino, vencida a distância de um único e curto quarteirão, chegava-se à Rua João Pessoa. E esta, com lembranças ou sem lembranças infantis a arregimentar partidários, era, inquestionavelmente, centro da cidade. Era a rua da igreja e era o berço de possíveis vereadores, prefeitos e deputados, de advogados e altos comerciantes, embora o celeiro dessa nobreza republicana fosse mesmo a Praça Barão do Rio Branco, mais um quarteirão à frente, e um trecho preciso da Rua 15 de Novembro.

DA ARQUITETURA AS TRAVESSURAS  
Algumas casas da Rua 25 de Janeiro tinham os quintais cercados por avelós ou pendão de agave. Mas as fachadas geminadas, todas elas de alvenaria, ainda que algumas de tijolo cru, não mostravam os fundos das residências e, portanto, não comprometiam a classificação espacial: a rua fazia parte do centro da cidade. Até o início dos anos 1960 houve por trás de nossa casa um matadouro de gado – a matança, como se chamava. Aí, o cheiro azedo e agressivo de tripas sendo lavadas, o borbulhar da água quente nos alguidares de barro à espera dos miúdos para escaldá-los e a latomia dos cachorros disputando algum rebotalho de carne embrulhavam os estômagos mais sensíveis. Nessas imediações também houvera, em tempos mais longínquos, um cemitério, confinando com o terreno onde depois seu João Dósio construiria alguns currais. Eles, com suas porteiras de estacas bem fornidas, boas para subir e para descer, eram nosso domínio para a brincadeira de “Mãos ao Alto” e para as guerras de carrapateira. Em busca de esconderijo, ao cruzarmos, na carreira e aos saltos, uma dessas porteiras, não raro encontrávamos pela frente o cocô quente das vacas e nele deslizávamos. Era também nas porteiras onde se amarrava, como castigo, os derrotados nos “tiroteios” com baleeira. A brincadeira era dura e meio perversa. Algumas dessas lembranças quase me levam a dar razão a um amigo que repete, sempre que pode, uma das conclusões antropológicas de seu pai, velho coronel do sertão cearense: “Ninguém me tira da cabeça que o bicho mais parecido com gente é menino”.

INÍCIO DO FIM DA DIVISÃO 
Na década de 1940, contava minha mãe, a rua abrigava muitas casas de taipa, algumas com teto de palha. Vinte anos depois, já não restava mais nenhuma nesse modelo, e isso aproximou a rua da geografia social do centro.

CAPA DE REVISTA 
Pra terminar, uma quase nota de rodapé: nos meus registros sentimentais, Seu Jorge, além de ponto de referência geográfico e de fotógrafo reconhecido, tinha outro atributo de destaque: era o pai de Marié, moça elegantíssima, que cruzava as tardes cuiteenses vestindo surpreendentes conjuntos de saia e blusa. A saía, muito estreita, dava ao andar um compasso contido. Saia estreita era, pra mim, o nível mais alto de elegância já atingido pela parte feminina da humanidade. E Marié, assim vestida e equilibrando-se em fenomenais sapatos de salto alto, parecia saída de uma das revistas de moda que eu via na casa de Celina Amâncio ou na de minha tia Zélia, costureiras que durante muito tempo cuidaram em dar graça às moças de Cuité.

FOTO
Rua  25 de Janeiro , antiga rua do "Louro" em 17 de julho de 1968  -Museu do Homem do Curimataú

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.