terça-feira, 24 de outubro de 2017

HOSPITAL DE CUITÉ DEVERIA TER SUA EQUIPE DE MANUTENÇÃO TREINADA , DIZ ENGENHEIRA CIDA ESTRELA .

Mais um acidente de Trabalho é registrado com trabalhador a serviço da Prefeitura Municipal de Cuité, desta vez um pintor sofreu uma descarga elétrica, após encostar cabo com rolo de tinta  na rede de alta tensão quando executava serviço de pintura do Hospital Municipal na manhã desta terça-feira(24). 


A presidente Da Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho (ANEST), Maria Aparecida Estrela ao ser ouvida pelo blog a respeito do acidente destacou a falta de capacitação da mão de obra para atuarem em suas profissões. 

Graças a Deus , a vitima de nome Fransquinho foi socorrida com rapidez pela equipe médica e em seguida transferido pelo SAMU para  Hospital de Trauma de Campina Grande , que segue em estado estável. Pelo vídeo que circula nas redes sociais ( a pedido de familiares , não publico no blog ) foi um verdadeiro milagre a sobrevivência do trabalhador. 

“ Acidentes como este se evita com prevenção, antes de qualquer trabalho 1-exames médicos(Aso), 2- Capacitação para trabalho (nr 10), 3-Elaboração de Programa de prevenção de riscos ambientais e 4- Implementar o programa de segurança do trabalho com acompanhamento de profissionais especializados; Técnico em segurança do trabalho e engenheiro de Segurança de trabalho “ disse Cida Estrela.

Em Cuité existem profissionais capacitados, através de escolas para ser absorvidos na segurança de trabalho e até hoje a prefeitura não os contrata, tão pouco as empresas que prestam serviços se vê o uma equipe de segurança de trabalho. No entanto só tem uma forma de evitar esses acidentes: Conscientização, informação e denúncias. 

Em João Pessoa, existe uma lei pioneira no Brasil denominado de “Abril Verde” dedicada à campanha de Prevenção aos Acidentes do Trabalho e Doenças Ocupacionais junto a população . A Organização Mundial do Trabalho (OMT), já ultrapassam mais de 270 milhões no mundo, dos quais, 2, 2 milhões resultam em morte, e desses pelo menos 700 mil casos em média no Brasil. 


Proteger o trabalhador de situações perigosas jamais será custo e sim investimento com resultado satisfatório tanto na saúde e segurança do trabalhador, quanto na produção. Segundo Eli Almeida especialista na área ,  os responsáveis pelo o descaso com a segurança das pessoas sejam chamadas à ordem e que façam por cumprir com as suas obrigações legais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.