quinta-feira, 23 de novembro de 2017

JOVEM É FLAGRADA TROCANDO LÂMPADA EM REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM CUITÉ SEM NENHUMA PROTEÇÃO

Uma jovem é flagrada trocando lâmpada de poste de iluminação pública em Cuité, sem nenhum equipamento de proteção para trabalho em altura.  Após a ex-prefeita postar as imagens no seu perfil do Facebook o tema “ segurança no trabalho “ voltou à tona na cidade.

Segundo informações , a jovem aproveitou o descuido dos prestadores de serviço e subia na escada para fazer a retirada da lâmpada. 

Em 2016, um jovem foi a óbito em Cuité quando fazia manutenção numa caixa d’água e sofreu descarga elétrica em uma casa. No mês passado, outubro, um pintor sofreu uma descarga elétrica quando pintava a fachada do Hospital Municipal e perdeu parte dos braços. 


Os erros continuam, e são graves pela falta de segurança de trabalho.  Fatalidade em acidente de trabalho para engenharia   “ não existe ” o que existe é negligência. 


No quesito segurança do trabalho na nova gestão “ um novo tempo” ainda se trabalha no velho tempo, na gestão da ex-prefeita Euda Fabiana aconteceram vários acidentes por falta de orientação  (  equipe de segurança de trabalho ) e não atender as normas de segurança.  


São vários relatos do passado :  Um mecânico sofreu um acidente na garagem da prefeitura, agente de limpeza morreu após sofrer seqüelas de um acidente de trabalho .  Na atual gestão do prefeito Charles, os flagrantes de desobediência às normas de Segurança de Trabalho continuam.  


A jovem que trocava lâmpada na imagem acima, sem nenhum critério do Trabalho em Altura é outro descaso com o trabalhador . Segundo a NR06 ( Norma Regularidade 06) os Equipamentos de Proteção Individual devem assegurar o Trabalhador e evitar que ele ou ela sofra quedas. Para isso existem ferramentas para cada nível de trabalho, como cinto de segurança, cadeira suspensa, trava-queda de segurança entre outras. 


O acidente de trabalho mata mais do que a AIDS no Brasil. Na construção civil, esse número é alarmante e tende a aumentar com a reforma trabalhista que tira de certa forma os direitos do trabalhador, inclusive das fiscalizações  mais rígidas pelos órgãos competentes. 

A chamada contrapartida, nos setor público se vê muitos fragrantes de descumprimentos das normas, quase sempre esses serviços são terceirizados pelas empresas a outras empresas de menor estrutura que não atendem as normas de segurança de trabalho. 

Imagem Facebook 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.