segunda-feira, 9 de abril de 2018

XEQUE- MATE NAS CARTAS

Na operação Xeque-Mate em Cabedelo, região metropolitana da capital, o prefeito Leto Viana preso no esquema de corrupção mantinha em seu poder uma carta renuncia de vereadores de sua base , caso não seguisse suas determinações .

CARTA EM CUITÉ 

Foi por carta aberta que o ex-vice prefeito de Cuité Fabiano Valério (MDB) dizia que não participava de esquemas sórdidos nos porões do poder, anos depois rascou a carta na primeira oportunidade de se eleger prefeito com aval para quem ele teria escrito a CARTA.  

CARTA EM PICUÍ 

Em Picuí o deputado Buba Germano encurralou os vereadores e antes mesmo de assumirem o mandato na Câmara, estes assinaram uma carta que ficou conhecida como Carta Aberta “Compromisso com Picuí”.

PALAVRA  

A palavra não basta, vereadores de Picuí assinaram espontaneamente uma sentença e tiveram que publicamente ratificar as assinaturas perante o deputado.   Na carta assinadas pelos parlamentares mirins, afirmaram e cumpriram que elegeria o presidente da Câmara durante o período de 2017 a 2020 e ficavam todos na base oposicionista.

CHARLES NÃO PEGOU ASSINATURAS

Vereadores eleitos que inicialmente ficaram na base da situação em Cuité, não assinaram carta nenhuma. O mais ligado ao prefeito Charles foi o primeiro a abandoná-lo e apoiar Buba como se fosse oposição II em Cuité.  


PRESIDENTE DA CÂMARA DE CUITÉ 

Se assinou carta não se sabe , mas já foi flagrado sendo orientado a não realizar audiência pública via mensagem de voz . Vazou ao vivo !  

XEQUE MATE NA VELHA POLITICA  

Essa prática de termo de compromisso, assinado e datado por agentes políticos com mandatos nos reporta a fragilidade moral, cada um dá o que tem.  Embalado pelo clima de defesa das liberdades democráticas e de direitos para todos, esse é o retrato do Brasil que deve repensar o modelo de redemocratização. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.