terça-feira, 2 de abril de 2019

PEGAMOS EM BOMBA : HAMAS , GRUPO TERRORISTA CRITICA A VISITA DE BOLSONARO A ISRAEL

 As promessas de campanha do presidente  Jair Bolsonaro para trazer a tecnologia hídrica de Israel para o Nordeste brasileiro ( técnicas já existente no Brasil ) foi apenas um pano de fundo para  ceder o prazer dos Estados Unidos e o Brasil comprar essa briga.   

Vamos ter cautela e responsabilidade , não estamos aqui discutindo ideologia partidária , Faixa de Gaza  não fica na  Cuba. 

O   Hamas  grupo terrorista islâmico que controla a Faixa de Gaza, condenou a visita do presidente Jair Bolsonaro a Israel. Em nota, o grupo afirmou que a visita não apenas contradiz a histórica atitude do povo brasileiro de apoio à causa palestina, mas também viola leis internacionais.

O principal motivo da desaprovação do Hamas foi a visita que Bolsonaro fez à cidade de Jerusalém acompanhado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Jerusalém Oriental está sob domínio de Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967. A Autoridade Palestina tenta estabelecer um Estado nos territórios ocupados de Gaza e Cisjordânia, com capital em Jerusalém Oriental.

O anúncio da abertura de um escritório brasileiro de negócios brasileiro em Jerusalém também foi condenado pelo Hamas, que pediu para o Brasil reverter essa medida imediatamente.

O Hamas é um movimento nacionalista militante na Faixa de Gaza e na Cisjordânia dedicado ao estabelecimento de um estado islâmico independente na Palestina histórica. O seu nome é um acrônimo em árabe para “Movimento de Resistência Islâmica”. Fundado em 1987, o Hamas se opunha à Organização para a Libertação da Palestina (OLP), que tinha uma abordagem secular ao conflito entre Israel e Palestina, e também rejeita tentativas de ceder qualquer parte da Palestina.

O movimento teve origem em 1987 depois do início da primeira intifada, ou o levante palestino contra a ocupação de Israel em Gaza e na Cisjordânia, formado por membros da Irmandade Muçulmana e de facções religiosas da OLP. Logo o grupo conquistou muitos seguidores.

O objetivo inicial era servir com a sua ala militar na batalha armada contra Israel e também promover programas sociais. Desde 2005, o Hamas também passou a atuar no processo político da Palestina.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.