domingo, 14 de julho de 2019

CUITÉ : PARQUE ARQUEOLÓGICO RETIRO E BARRAGEM DO JAPI

O governo do estado da Paraíba , através da Secretaria da Infraestrutura , dos Recursos Hídricos e do Meio Ambiente ( Seirhma) comemora o andamento das obras da barragem do Boqueirão do Japi , uma obra de recursos hídricos que abastecerá municípios de Cuité e Nova Floresta. 

A barragem do Japi é uma reivindicação antiga dos moradores , fruto do Orçamento Democrático e apelo do deputado Buba Germano e do então deputado Charles quando passou na Assembleia.  

A obra também será contemplada com sistema adutor TransParaíba que já está em execução .  

Quando pronta e com reservatório cheio , vai mudar significativamente a vida das pessoas e fomentar a economia local , pela segurança hídrica deve atrair novas empresas . 

 A barragem está sendo edificada em concreto compactado com rolo (CCR) ,  localizada na bacia do rio Japi divisa da Paraíba com o Rio Grande do Norte , tem capacidade de 40 milhões e 500 mil  metros cúbicos  , uma das maiores do estado da Paraíba. 

A obra nasceu no governo de Ricardo Coutinho e pensada por João Azevedo.  Alguns historiadores de Cuité entre eles professor Alexandre tem os méritos de interferir na questão da preservação da história e assim ao invés de uma história inundada , temos  um sítio arquelógico que pode ser visitado ao lado de uma barragem . 

O secretário Deusdete Queiroga também envidou esforços para que a obra fosse retomada e a empresa desse um ritmo mais acelerado e assim se espera que no primeiro semestre de 2020 possa ser inaugurada.  

O ex-governador Ricardo Coutinho comemora o andamento da obra e em seu perfil nas redes sociais destacou a ousadia do governo em transformar uma obra tão sonhada em realidade . " Marcas fortes de um tempo democrático e popular" finalizou RC. 


 Durante a obra , foi preciso o Governo do Estado  redimensionar o projeto diante de uma  solicitação  do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ( Iphan-PB)  para que o sitio arquelógico do retiro fosse preservado .   

Segundo o historiador Vanderley Brito, presidente da Sociedade Paraibana de Arqueologia Todo o sítio arqueológico é da máxima importância porque carrega uma informação que pode servir de chave para o enigma. Sabemos que esses gráficos podem ter sido feitos por homens que viveram aqui há mais de 6 mil anos atrás, mas ainda não compreendemos o significado”, esclarece o professor .

Este sítio localizado em uma pedra de mais de 3 metros de altura, em uma das laterais do Rio Japí, foi descoberto no século XIX pelo naturalista francês Jacques Brunet. Em 2002, os historiadores Washington Luis de Meneses e o próprio Vanderley Brito fizeram um levantamento, mas os desenhos feitos em tinta vermelha requerem mais estudos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre esta publicação.